Tuesday, 31 May 2011

Aquisições de Maio

Ora aqui estão os livrinhos que chegaram à minha estante este mês:



- "União", Ally Condie [Opinião];
- "A Luz do Fogo", Sophie Jordan;
- "Beijo do Ferro", Patricia Briggs [Opinião];
- "Louca Por Compras No Estrangeiro" e "Louca Por Compras Dá o Nó" de Sophie Kinsella.

Este não foi um mês de grandes loucuras - os livros de Sophie Kinsella foram uma verdadeira pechincha. Devo confessar que estou muito contente pois pela primeira vez conseguir ler todas as aquisições de um mês. 

Monday, 23 May 2011

"União", Ally Condie

Consegues escolher entre a Perfeição e a Paixão?

Título Original: Matched (2010)
Autor: Ally Condie
Editora: Edições Gailivro
Colecção: 1001 Mundos
Nº Páginas: 293
ISBN: 978-989-557-784-2
Género: Ficção Científica

Sinopse: "Cassia sempre confiou nas escolhas dos Funcionários. É um pequeno preço a pagar por uma vida longa, um emprego perfeito, um companheiro ideal. Quando o seu melhor amigo aparece no ecrã da União, Cassia tem a certeza absoluta de que ele é o certo - até ao momento em que vê um outro rosto aparecer no ecrã, por breves instantes, antes de este ficar negro. Agora Cassia vê-se confrontada com escolhas impossíveis: entre Xander e Ky, entre a única vida que conhece e um caminho que nunca ninguém ousou seguir - entre a perfeição e a paixão."

Opinião:  Não posso dizer que este género literário, Ficção Científica, seja um dos meus preferidos (tão raramente o leio, que apenas um livro deste género faz parte da minha lista).  Contudo este livro despertou o meu interesse para as distopias que só encontramos neste género.

As principais razãos pela quais fui atraida por este livro foram a capa - apaixonei-me pela sua simplicidade - e o book trailer [Aqui]. Depois de ler a sinopse decidi dar uma oportunidade.  E foi uma oportunidade bem dada, pois  "União" de Ally Condie foi uma surpresa inesperada.

Desde sempre, Cassia Reyes confiou nas escolhas da Sociedade. Os Funcionários escolhem o seu emprego ideal - através dos muitos testes de triagem -, escolhem o seu companheiro perfeito - atráves das característica genéticas e da personalidade. Até ao dia em que vê o rosto de Ky na microficha, que lhe foi atribuida no Banquete de União, por breves segundos em vez do de Xander - o seu melhor amigo, a sua União perfeita. A partir desse momento, a Sociedade superficialmente perfeita é posta em causa por Cassia, acabando por descobrir que a perfeição tão aclamada pelos Funcionários encontra-se longe de ser verdadeira.   

Ao longo do livro Cassia evolui: a sua maneira de pensar torna-se mais profunda e compreende finalmente que a Sociedade na qual cresceu, não é o que julgava. Esta mudança de Cassia encontra-se relacionada com Ky -   de todas as personagens Ky foi a minha preferida; tão enigmático - que a expõe ao seu Mundo, tão diferente do dela.
Como escrevi anteriormente, não leio assiduamente livros deste género,  logo não posso criticar a falta de originalidade da escritora, nem escrever sobre o suposto plágio, como tem vindo a ser apontado noutras opiniões.  

Ally Condie já conquistou mais uma fã e fico à espera do próximo livro da escritora que será publicado na versão original no primerio dia de Novembro deste ano - mal posso esperar pela continuação, pois algumas perguntas ficaram à espera de resposta.

Monday, 9 May 2011

"Beijo do Ferro", Patricia Briggs


Título Original: Iron Kissed (2008)
Autor: Patricia Briggs
Editora: Saída de Emergência
Nº Páginas: 261
ISBN: 978-989-637-334-4
Género: Fantasia Urbana

Sinopse: "Mercy Thompson é mecânica de automóveis e uma rapariga tão bela quanto independente. O seu segredo? Consegue mudar de forma. A sua perdição? Não consegue mudar de lealdade. Como tal, quando o seu antigo mentor é preso por assassínio e deixado a apodrecer atrás das grades pela sua própria espécie, Mercy está disposta a arriscar a vida numa missão solitária para limpar o nome dele. Mas a sua lealdade também vai ser testada de outros lados: os lobisomens não são conhecidos pela sua paciência e, se Mercy não se decide entre os dois de quem gosta, Sam e Adam podem fazer a escolha por ela... Com enredos tortuosos, personagens inesquecíveis e uma escrita dinâmica, Patricia Briggs eleva a fantasia urbana a novos patamares de qualidade."

Opinião: "Beijo do Ferro" é o terceiro livro da série Mercy Thompson e tal como os anteriormente publicados não desilude. Quando o comecei a ler não o consegui largar. Patricia Briggs é mestre em misturar acção e emoção para escrever uma história perfeita, deixando-nos sempre a desejar mais, muito mais.

Desde que Mac entrou na sua oficina em "O Apelo da Lua" [Opinião], Mercy parece não conseguir ficar fora de sarilhos. Primeiro foram os vampiros a cobrar a sua dívida ("Vínculo de Sangue" [Opinião]), obrigando Mercy a confrontar um vampiro possuido por um poderoso demónio e a assassinar quem o havia convertido num ser dessa raça.  Agora é a vez dos seres féericos cobrarem a sua dívida e Mercy não pode recusar - não após  ter usado a "oferta" de Zee mais do que uma vez.  

Acompanhada por Zee - seu mentor e amigo - Mercy é levada à reserva dos seres féericos para tentar ajudar a encontrar o culpado pelos homicídios destas criaturas mágicas  ocorridos nos últimos tempos. O que devia ser uma tarefa simples acaba num total desastre, quando a metamorfa vê mais do que deve do Mundo féerico, acabando perigosamente envolvida com os Senhores Cinzentos (fadas poderosas e responsáveis pelos seres féericos e os seus "destinos") e Zee é preso injustamente pelas autoridades humanas. Mercy acaba por se encontrar sozinha a lutar para provar a inocência de Zee.

"Beijo do Ferro" apesar de focado nas criaturas féericas - Briggs finalmente apresenta mais detalhadamente o Mundo destes seres a quem não se pode agradecer nem confiar - não deixa de ter os lobisomens como parte central, devido à ligação de Mercy com eles desde criança.

Tal como nos livros anteriores, Mercy mantem-se aquela personagem pela qual nos apaixonamos: valente e arrojada, mas sem perder a consciência das suas limitações e fraquezas - por vezes nem se apercebe de que não é assim tão limitada, é mais forte do que pensa. Se não fosse já gostar tanto desta personagem - quem é que não gosta de Mercy Thompson? - este livro tinha-me conseguido converter. Porquê? Bem, não posso, nem quero, deixar "spoilers" nesta crítica. É melhor descobrirem por vocês mesmos.  

Em comparação às últimas entregas da escritora, o triângulo amoroso entre Samuel, Mercy e Adam tem um pouco mais de destaque (não fosse neste livro que Mercy fará a sua escolha para que Adam e Samuel não se envolvam numa luta até à morte) e saiu do segundo plano para fazer frente ao desenrolar da arriscada e mortal busca de Mercy pela verdade. Mais uma vez, para não cair na tentação de escrever algum "spoiler" apenas irei referir que Briggs escreveu maravilhosamente bem o desfecho deste triângulo amoroso -  e foi um desfecho algo surpreendente. Agora Mercy terá de aceitar a sua escolha e lutar com um dos seus maiores medos: ser controlada.     

Concluída a leitura, cheia de antecipação e expectativa fico à espera de "Cruz de Ossos" - e a cruzar os dedos para que seja publicado no final deste ano, mas caso não seja não me poderei queixar, pois a editora "Saída de Emergência" tem publicado os volumes desta saga de Fantasia Urbana com bastante frequência (por esta, e outras razões, é uma das minhas editoras preferidas).  

Saturday, 30 April 2011

Aquisições de Abril

No início do ano prometi a mim mesma comprar dois a três livros por mês. Contudo é muito mais fácil dizer do que fazer, quando se é uma amante fervorosa da leitura. Por mais que tente resistir há sempre um livro que chama por mim e não consigo resistir à tentação. E é tão difícil passar por uma livraria sem colocar o pezinho lá dentro!!! 

Portanto, aqui estão os livrinhos que chegaram à minha biblioteca este mês:


- "O Protector", Madeline Hunter;

- "Crepúsculo Em Oslo" , Anne Holt (Obrigado Wook  pelo vale de 5 euros);

- "Teias De Sonhos", Anne Bishop (Estou completamente rendida à escrita de Anne Bishop e à sua dark fantasy, mas ainda vai levar algum tempo a conseguir todas as obras da escritora publicadas em Portugal);

- "A Rapariga do Capuz Vermelho", Sarah Blackley-Carwright, David Lesley Johnson [Opinião];

- "Feitiços", Aprilynne Pike;

- "Jane Eyre" ,  Charlotte Brontë (para além de ter  custado apenas 5 euros, tem uma capa lindíssima).


Friday, 29 April 2011

"A Rapariga do Capuz Vermelho", Sarah Blackley-Carwright e David Lesley Johnson

"ACREDITA NA LENDA. CUIDADO COM O LOBO."
"Uma lenda arrepiante. Uma amor invencível."
"QUEM TEM MEDO DO LOBO?"

Título Original: Red Riding Hood (2011)
Autores: Sarah Blackley-Carwright, David Lesley Johnson
Editora: Editora Objectiva
Nº Páginas: 240
ISBN: 978-989-672-078-0
Género: Literatura Fantástica 

Sinopse: "O coração de Valerie está dividido. Os pais querem que ela case com Henry, o filho do ferreiro, um rapaz gentil. Mas Valerie está apaixonada por Peter, um jovem lenhador de espírito independente e misterioso. O mundo está contra eles, mas os dois jovens apaixonados não imaginam viver um sem o outro e estão dispostos a lutar por isso.
Tudo muda quando a irmã mais velha de Valerie aparece morta. Suspeita-se do Lobo, uma criatura temível que assombra a floresta em redor da aldeia. É com horror que os habitantes da aldeia descobrem que durante o dia o Lobo assume forma humana e pode ser qualquer um deles. O perigo está à espreita e ninguém está a salvo.
As vítimas do Lobo não param de aumentar e Valerie começa a suspeitar que o Lobo pode ser uma pessoa muito próxima de si. Ela é a única que consegue ouvir a voz da criatura. E a mensagem do Lobo é muito clara: se Valerie não se render antes de a lua de sangue desaparecer do céu, todos os que ela ama morrerão."

Opinião: Valerie é uma jovem rapariga que vê o seu Mundo ruir com a chegada da Lua de Sangue. Nesse dia reencontra Peter, um velho amigo de infância porque quem ainda nutre sentimentos correspondidos pelo jovem lenhador. Ambos fazem planos para fugir juntos, afastando Valeria de um casamento indesejado com Henry. Contudo os  planos dos jovens mudam quando ouvem o sino soar quatro vezes. Valerie descobre que Lucie, a sua doce irmã, foi a vítima do Lobo. Uma onda de medo instala-se na pequena aldeia e a chegada do padre Solomon   planta a semente da desconfiança, quando anuncia que o Lobo pode ser qualquer um dos habitantes.     

Escrito por Sarah Blackley-Cartwright e baseado no argumento de David Lesley Jonhson, este deve ser o primeiro livro que li baseado no argumento de um filme. Na maioria da vezes os argumentos são baseados nestes nossos grandes amiguinhos, e não o contrário.   

Ainda não vi o filme - portanto não posso dizer o quão fiel a escritora foi  -, mas rendi-me a esta história reinventada do Capuchinho Vermelho e mal posso esperar pela oportunidade de ir ao cinema saber se o livro faz justiça à versão cinematográfica. 

Foi uma leitura arrebatadora até ao último capítulo - foram tantas reviravoltas e os segredos desvendandos ao longo das páginas!!!! Apenas no último capítulo descobrimos quem é o Lobo - e mais não escrevo para não partilhar spoilers e arruinar a surpresa.  

Apenas houve um senão. Eu sei que o filme ainda não havia estreado no grande ecrã quando conclui a leitura, mas não havia necessidade de publicar o último capítulo na internet e fazer-nos esperar quase uma semana para saber o final. E além da "longa" espera e da expectativa, achei que o último capítulo dexou algo algo a desejar.  O final foi algo "bittersweet". Para mim devia ter sido um pouco mais rebuscado. Contudo não deixo de recomendar a sua leitura.

Sunday, 17 April 2011

"You Should Date An Illiterate Girl", Charles Warnke

Lembro-me de ler num blog "Date A Girl Who Reads" - peço imensa desculpa por não me recordar em qual.  Decidida a ler o artigo outra vez, decidi procura-lo na internet e qual foi a minha surpresa quando encontrei "You Should Date An Illiterate Girl" por Charles Warnke. Li e reli e no final conclui que o devia partilhar para saber a vossa opinião.

You Should Date An Illiterate Girl
By Charles Warnke
January 19, 2011

"Date a girl who doesn’t read. Find her in the weary squalor of a Midwestern bar. Find her in the smoke, drunken sweat, and varicolored light of an upscale nightclub. Wherever you find her, find her smiling. Make sure that it lingers when the people that are talking to her look away. Engage her with unsentimental trivialities. Use pick-up lines and laugh inwardly. Take her outside when the night overstays its welcome. Ignore the palpable weight of fatigue. Kiss her in the rain under the weak glow of a streetlamp because you’ve seen it in film. Remark at its lack of significance. Take her to your apartment. Dispatch with making love. Fuck her.

Let the anxious contract you’ve unwittingly written evolve slowly and uncomfortably into a relationship. Find shared interests and common ground like sushi, and folk music. Build an impenetrable bastion upon that ground. Make it sacred. Retreat into it every time the air gets stale, or the evenings get long. Talk about nothing of significance. Do little thinking. Let the months pass unnoticed. Ask her to move in. Let her decorate. Get into fights about inconsequential things like how the fucking shower curtain needs to be closed so that it doesn’t fucking collect mold. Let a year pass unnoticed. Begin to notice.

Figure that you should probably get married because you will have wasted a lot of time otherwise. Take her to dinner on the forty-fifth floor at a restaurant far beyond your means. Make sure there is a beautiful view of the city. Sheepishly ask a waiter to bring her a glass of champagne with a modest ring in it. When she notices, propose to her with all of the enthusiasm and sincerity you can muster. Do not be overly concerned if you feel your heart leap through a pane of sheet glass. For that matter, do not be overly concerned if you cannot feel it at all. If there is applause, let it stagnate. If she cries, smile as if you’ve never been happier. If she doesn’t, smile all the same.

Let the years pass unnoticed. Get a career, not a job. Buy a house. Have two striking children. Try to raise them well. Fail, frequently. Lapse into a bored indifference. Lapse into an indifferent sadness. Have a mid-life crisis. Grow old. Wonder at your lack of achievement. Feel sometimes contented, but mostly vacant and ethereal. Feel, during walks, as if you might never return, or as if you might blow away on the wind. Contract a terminal illness. Die, but only after you observe that the girl who didn’t read never made your heart oscillate with any significant passion, that no one will write the story of your lives, and that she will die, too, with only a mild and tempered regret that nothing ever came of her capacity to love.

Do those things, god damnit, because nothing sucks worse than a girl who reads. Do it, I say, because a life in purgatory is better than a life in hell. Do it, because a girl who reads possesses a vocabulary that can describe that amorphous discontent as a life unfulfilled—a vocabulary that parses the innate beauty of the world and makes it an accessible necessity instead of an alien wonder. A girl who reads lays claim to a vocabulary that distinguishes between the specious and soulless rhetoric of someone who cannot love her, and the inarticulate desperation of someone who loves her too much. A vocabulary, god damnit, that makes my vacuous sophistry a cheap trick.

Do it, because a girl who reads understands syntax. Literature has taught her that moments of tenderness come in sporadic but knowable intervals. A girl who reads knows that life is not planar; she knows, and rightly demands, that the ebb comes along with the flow of disappointment. A girl who has read up on her syntax senses the irregular pauses—the hesitation of breath—endemic to a lie. A girl who reads perceives the difference between a parenthetical moment of anger and the entrenched habits of someone whose bitter cynicism will run on, run on well past any point of reason, or purpose, run on far after she has packed a suitcase and said a reluctant goodbye and she has decided that I am an ellipsis and not a period and run on and run on. Syntax that knows the rhythm and cadence of a life well lived.

Date a girl who doesn’t read because the girl who reads knows the importance of plot. She can trace out the demarcations of a prologue and the sharp ridges of a climax. She feels them in her skin. The girl who reads will be patient with an intermission and expedite a denouement. But of all things, the girl who reads knows most the ineluctable significance of an end. She is comfortable with them. She has bid farewell to a thousand heroes with only a twinge of sadness.

Don’t date a girl who reads because girls who read are the storytellers. You with the Joyce, you with the Nabokov, you with the Woolf. You there in the library, on the platform of the metro, you in the corner of the café, you in the window of your room. You, who make my life so god damned difficult. The girl who reads has spun out the account of her life and it is bursting with meaning. She insists that her narratives are rich, her supporting cast colorful, and her typeface bold. You, the girl who reads, make me want to be everything that I am not. But I am weak and I will fail you, because you have dreamed, properly, of someone who is better than I am. You will not accept the life that I told of at the beginning of this piece. You will accept nothing less than passion, and perfection, and a life worthy of being storied. So out with you, girl who reads. Take the next southbound train and take your Hemingway with you. I hate you. I really, really, really hate you."

Friday, 15 April 2011

Aquisições de Março [2]

Aqui estão os restantes livrinhos adquiridos em Março pela Wook - era impossível resistir aos descontos -, mas apenas chegaram à minha biblioteca esta semana. Algum do vosso agrado?


- "Os Elos do Dragão", Paul Collins;
- "O Alquimista", Michael Scott;
- "Rainha das Trevas", Anne Bishop;
- "Sombras e Fortalezas", Elizabeth Chadwick;
- "O Crepúsculo de Avalon", Anne Elliot;
- "A Cidade dos Osso", Cassandra Clare;
- "O Fantasma da Ópera", Gaston Leroux;
- "Louca Por Compras", Sophie Kinsella.

Tuesday, 5 April 2011

"A Rapariga do Capuz Vermelho" - Trailer



No dia 14 de Abril chega aos cinemas "A Rapariga do Capuz Vermelho" assim como o último capítulo do livro adaptado por Sarah Blackley-Cartwright através do argumento de David Lesley Jonhson.

"A Corte do Ar", Stephen Hunt

"Dois orfãos em fuga, cada um com o poder para salvar o Mundo."
Título Original: The Court of the Air (2007)
Autor: Stephen Hunt
Editora: Saída de Emergência 
Nº Páginas: 507
ISBN: 978-989-637-293-4
Género: Steampunk Vitoriano

Sinopse: "Quando a órfã Molly Templar testemunha um assassinato brutal no bordel onde foi colocada como aprendiz, o seu primeiro instinto é o de correr de volta para o orfanato onde cresceu. Ao chegar e encontrar todos os amigos mortos, apercebe-se de que era ela o verdadeiro alvo do ataque... pois o sangue de Molly contém um segredo que a torna um alvo a abater para os inimigos do Estado. Oliver Brooks levava uma existência tranquila na casa do tio, mas quando é acusado da morte do seu único familiar é forçado a fugir para salvar a vida, acompanhado por um misterioso agente da Corte do Ar. Perseguido pelo país, Oliver vê-se na companhia de ladrões, foras-da-lei e espiões, e aprende mais sobre o segredo que destruiu a sua vida. É então que Molly e Oliver são confrontados com uma ameaça à própria civilização por um poder antigo que se julgava derrotado há milénios. Os seus inimigos são implacáveis e numerosos, mas os dois órfãos terão a ajuda de um formidável grupo de amigos nesta aventura cheia de acção, drama e intriga."

Opinião: Molly Templar é uma orfã que após ser despedida de mais outro emprego é comprada e enviada para um bordel como aprendiz. Neste local, Molly assiste a um brutal assassinato e escapa antes de se tornar a próxima vítima do velho aristocrata. Sem saber para onde ir, na  fuga pela sua vida, Molly volta ao orfanato onde cresceu apenas para ser confrontada com mais uma cenário sinistro: as crianças com quem havia crescido haviam desaparecido e uma das suas amigas mais próximas fora assassinada. Com o assassino no seu encalço Molly pede ajuda a um vaporomem, Rodas Lentas, que a acompanha na fuga para Sinistrasperança à procura de segurança - mas apenas descobre que a sua cabeça está a prémio devido ao sangue que lhe corre nas veias e nunca estará segura. 

Oliver Brooks vive em Cem Cadeados na pensão do seu tio - o seu único familiar vivo. Por ter passado uma parte da sua infância em Brumaencantada, Olive não vive como os rapazes da sua idade: todas as semanas tem de se apresentar a um cantor-mundo para mostrar que não apresenta sinais de pertencer à raça dos encantados. Tudo muda na sua monótona vida quando Harry Stave - um bom amigo do homem que criou Oliver - chega à pensão de "Setenta Estrelas". Pouco tempo após a chegada, o tio do orfão é assassinado e este é culpado pelo crime. Para salvar a vida, Oliver parte com Stave, um agente da Corte do Ar, e inicia a aventura da sua vida - descobrindo o segredo que virou a sua vida ao contrário, quando era apenas uma criança. 

Foi a minha primeira experiência com uma obra do género Steampunk Vitoriano, tal como foi a primeira vez que li algo de Stephen Hunt. Com toda a sinceridade digo que Stephen Hunt é um escritor a seguir - mesmo que tenha demorado cerca de 24 dias a ler "A Corte do Ar". Com tantos termos e criaturas demorei um bocado a "arrancar", mas depois de me habituar a termos como "vaporomens", "Damson", às demais facções políticas existentes e nomes de metadeuses, a leitura tornou-se fluída e fácil de compreender.  

O mundo de Stephen Hunt é uma delícia. É um Mundo recheado de tantas personagens e histórias que me questionei como  foi que o escritor conseguiu desenvolvê-las a todas em tão poucas páginas. E claro, conseguimos criar uma ligação com elas e a cada página que se segue perguntamo-nos pelo seu futuro.

O único aspecto negativo deste livro é mesmo a tradução - para mim contêm alguns erros. Se calhar a minha próxima leitura será um livrinho sobre as alterações que irão surgir com a chegada deste acordo ortográfico sem pés nem cabeça. 

Espero com muita expectativa a próxima entrega de Stephen Hunt e do seu Steampunk vitoriano. "A Corte do Ar" é um livro que recomendo a todos os amantes de Literatura Fantástica.  

Thursday, 31 March 2011

Aquisições de Março [1]

Este mês apenas dois livros chegaram à minha estante: "O Filho de Thor" de Juliet Marillier e "A Corte do Ar" de Stephen Hunt.  


Mas isto não quer dizer que estes tenham sido as únicas comprinhas: não pude resisitir à promoção da Wook e um carregamento de livros com 20%-30% de desconto será entregue com a chegada de Abril.

Wednesday, 30 March 2011

Promoção Wook


Aqui está uma excelente promoção que não se dever perder.

Thursday, 24 March 2011

Booking Through Thursday: Séries

   Series? Or Stand-alone books?

Nunca participei neste pequeno desafio semanal, mas como desde o final de Fevereiro não actualizo "My Lovely Secret" achei que seria uma boa maneira de mostrar que ainda estou viva e pronta a ler e a partilhar as minhas experiências. 

Series ou stand-alone livros? É uma pergunta difícil de responder. Muito difícil!  

A maioria dos livros que adquiro fazem parte de séries - muitas vezes apenas descubro, após a conclusão da leitura, que existe uma sequela - e confesso que muitas destas fazem parte das minhas leituras predilectas: "Harry Potter" de J.K. Rowling, a série Mercy Thompson de Patricia Briggs, "Fever" de Karen Marie Mooning, "Laços de Sangue" de Jenniger Armintrout... Um dos lados positivos das séries é que podemos ver a evolução das personagens ao longo de mais de mil páginas; exploramos um pouco mais as suas características e como reagem perante diferentes mundos. Claro, isto se o escritor não estiver simplesmente a escrever "para vender e obter lucro fácil" - os escritores deviam saber que o que é demais é erro; tantos livros podem arruinar o potencial de um trabalho exímio e intemporal.

O meu único problema com as séries é quando não são publicadas até ao final. Sou um dos poucos fãs de Robert Jordan - este deve ser o meu escritor preferido até ao momento - e não poderei desfrutar dos restantes livros da série, na minha língua materna. O quarto livro, e último publicado em Portugal, da saga "A Roda do Tempo" ainda se encontra em cima da mesa de cabeceira sem ser tocado, pois quando este for lido não terá continuação - o que parte o meu coração. Outro problema é o tempo que as sagas demoram a ser publicadas - quando todos os livros já foram publicados no estrangeiro. Não estou a falar de meses, mas sim de anos. Uma série em que o primeiro livro me encantou, só dois anos depois vai ver a sua continuação publicada e não sei se irei adquirir a obra.  

Contudo existem excelentes stand-alone livros ("Sangue-do-Coração" de Juliet Marillier, "Persuasão" e "Orgulho e Preconceito" de Janes Austen, "A Mecânica do Coração" de Mathias Malzieu...). Eu sei que alguns stand-alone tendem a ser volumosos e pesados - mas o que é que isso importando quando tem tanto para nos oferecer? Em muitos livros uma saga apenas destruiria o que nos encantou no primeiro.  

Acho que esta questão terá de ficar sem resposta - é uma escolha muito díficil para um rato de biblioteca. Num universo de escritores tão diferentes (que nos oferecem personagens que tantas vezes desejamos serem reais) cada um escreve uma história com o seu ingrediente especial - por vezes um ingrediente secreto não é suficiente para mostrar todo o Mundo por si escrito e existe a necessidade de um novo ingrediente criando-se uma mistura deliciosa.          

Monday, 28 February 2011

Aquisições de Fevereiro

Ora aqui estão os livrinhos que se juntaram este mês à minha pequena biblioteca pessoal. No mês passado consegui manter a minha promessa e não comprei mais do que três livros, mas este mês não me consegui conter e adquiri mais livrinhos do que devia. 

 
- "Em Nome do Vento", Patrick Rothfuss;
- "Cinzas", Jennifer Armintrout;
- "Exílio", R.A. Salvatore;
- "Wicked Lovely - Tatuagem", Melissa Marr (Opinião);
- "O Beijo da Meia-Noite", Lara Adrian (Opinião);
- "Os Pecados do Lorde Easterbrook", Madeline Hunter;
- "Se Eu Ficar", Gayle Forman. 

Ainda chegaram uns livrinhos encomendados na Wook:



- "Paixão Numa Noite de Inverno", Eloisa James;

- "A Cama da Paixão", Laura Lee Gurhke;

- "Até Que Ele Nos Separe", Emily Giffin.   

"O Beijo da Meia-Noite", Lara Adrian

Título Original: Kiss of Midnight (2007) Autor: Lara Adrian
Editora: Quinta Essência 
Nº Páginas: 372
ISBN: 978-989-8228-43-7
Género: Romance Paranormal

Sinopse: "Gabrielle Maxwell, uma reconhecida artista de Boston, celebra o êxito da sua última exposição exclusiva. Entre a acalorada multidão, sente a presença de um sensual desconhecido que desperta nela as fantasias mais profundas. Mas nada relacionado com essa noite, nem com esse homem, é o que parece. À saída, Gabrielle presencia um homicídio e, a partir desse momento, a realidade converte-se em algo escuro e mortífero, e ela entra num submundo que nunca soube que existia, habitado por vampiros urbanos. Lucan Thorne é um vampiro, um guerreiro da Raça, que nasceu para proteger os seus – assim como os humanos que com ele coexistem – da crescente ameaça dos vampiros renegados. Lucan não pode correr o risco de unir-se a uma humana, mas quando Gabrielle se converte no alvo dos seus inimigos, não tem escolha e é forçado a levá-la para esse outro mundo que lidera, no qual serão devorados por um desejo selvagem e insaciável. Nos braços do formidável líder da Raça, Gabrielle irá enfrentar um extraordinário destino de perigo, de sedução e dos mais sombrios prazeres..."

Opinião: Gabrielle Maxwell é uma brilhante fotógrafa. As suas fotografias de locais desertos, sem qualquer presença humana, fazem as delícias de muitos. Após uma exposição cheia de sucesso, Gabrielle, juntamente com os seus amigos Jamie, Kendra e Maggie, é levada a um novo bar gótico que se encontra na moda. Nessa noite Gabrielle vê a sua vida virada do avesso, quando assiste ao ataque mortal de um jovem por parte de um grupo de Renegados.

Transtornada, Gabrielle tira fotografias ao grupo de assassinos sem uma pinga de remorso no seu ser, mas ninguém acredita nas suas palavras, nem nas  fotografias escuras. Ninguém além de Lucan Thorne. Lucan é membro de um grupo de vampiros guerreiros que protegem os humanos dos Renegados. Através de uma  mentira inofensiva, entra no mundo de Gabrielle para descobrir o Renegado que lhe escapou na noite do homicído assistido pela fotógrafa.

Assim se inicia um novo capítulo na vida de Gabrielle: desde sangrentos homícidios até uma atracção arrebatadora difícil de explicar.    

Não sou uma leitora assídua de romances paranormais. Tanto Alyssa Day como Sherrilyn Kenyon não me conseguiram atrair e não tinha grandes expectativas ao desfolhar "O Beijo da Meia-Noite". Devo dizer que Adrian conseguiu, finalmente, despertar o meu interesse e curiosidade para este género literário. Foi uma surpresa bastante agradável.      

Lara Adrian é uma mistura de Sherrilyn Kenyon - preferi Adrian à Rainha do Romance Paranormal - e J.R Ward - com muita pena tenho o primeiro livro da escritora a ganhar pó na prateleira, enquanto espera para ser devorado. Para todos os amantes de Romance Paranormal  esta escritora é uma excelente aposta. "O Beijo da Meia-Noite" é uma história cheia de acção e recheada de personagens algo complexas com os seus próprios demónios. 

A próxima entrega é intitulada de "O Beijo Carmesim" e segue as história de Dante e da sua Companheira de Raça.   

Thursday, 24 February 2011

"Exílio", de R. A. Salvatore [Divulgação]


O seu lançamento é já amanhã! Não são óptimas notícias?

Sinopse: "Após renegar a sua própria família e partir para longe de Menzoberranzan, a sua pátria, Drizzt tem que aprender a sobreviver e conquistar um novo lar no imenso labirinto dos túneis subterrâneos onde se ocultam criaturas das trevas. Mas o verdadeiro perigo parte da sua própria raça e Drizzt terá que estar atento a sinais de perseguição, pois os elfos negros não são um povo misericordioso...Venha descobrir Drizzt, o elfo negro, uma das personagens mais lendárias da fantasia. E acompanhe-o na épica e intrépida jornada para longe de um mundo onde não tem lugar... em busca de outro, na superfície, onde talvez nunca o aceitem."

Sunday, 20 February 2011

"A Iniciação", Jennifer Armintrout

Evita a luz do Sol. Bebe sangue. Odeia-te para sempre.
Bem-Vindo à Imortalidade.

Título Original: The Turning (2006)
Autor: Jennifer Armintrout
Editora: Edições Gailivro
Colecção: 1001 Mundos
Nº Páginas: 334
ISBN: 978-989-557-744-6
Género: Fantasia Urbana

Sinopse: "Eu não sou cobarde. Quero deixar isso bem claro. Mas, depois de a minha vida se transformar num filme de terror, passei a levar o medo muito mais a sério. Tinha-me tornado na Dra. Carrie Ames apenas há oito meses, quando fui atacada na morgue do hospital por um vampiro. Haja sorte. Por isso agora sou uma vampira e descobri que tenho um laço de sangue com o monstro que me criou. Este funciona como uma trela invisível, pelo que estou ligada a ele, independentemente daquilo que faça. E, claro, ele tinha de ser um dos vampiros mais malévolos à face da Terra. Com o meu Amo decidido a transformar-me numa assassina sem escrúpulos e o seu maior inimigo empenhado em exterminar-me, as coisas não podiam ser piores - só que me sinto atraída pelos dois. Beber sangue, viver como um demónio imortal e ser um peão entre duas facções de vampiros não é exactamente o que tinha imaginado para o meu futuro. Mas, como o meu pai costumava dizer, a única forma de vencer o medo é enfrentá-lo. E é isso que irei fazer. Com as garras de fora."

Opinião: Já se passaram alguns meses desde a leitura deste magnífico e marcante livro. Como no próximo dia 21  de Fevereiro (já amanhã) sai o terceiro livro da série "Laços de Sangue" de Jennifer Armintrout, "Cinzas", decidi partilhar a minha opinião sobre o primeiro livro - infelizmente ainda não li "Possessão" e espero lê-lo nas próximas semanas.

Carrie Ames tinha-se tornado médica apenas à oito meses atrás, quando é atacada na morgue por um paciente que havia falecido poucos minutos antes no Serviço de Urgência, no hospital em Michigan para onde havia ido trabalhar. Claro que Carrie não fazia ideia que o ataque a ia transformar num vampiro, nem que o seu atacante era um vampiro bastante cruel e poderoso.    

Após o ataque, Carrie experimenta uma série de mudanças físicas: diminuição da temperatura do corpo, sensibilidade à luz e uma fome insaciável. Na procura de respostas para descobrir o que lhe está a acontecer, Carrie acaba numa livraria em que Nathan, o dono do espaço é também ele um vampiro que lhe conta todos os pormenores da transformação e a avisa que tem de escolher entre juntar-se ao Movimento (um grupo de vampiros que tem como função matar todos os que não sigam as leis) ou a morte. Nenhuma das opções agrada a Carrie e esta decide partir à procura do único vampiro que pensa que a pode ajudar: o homem que a tornou um vampiro, Cyrus.      

Uma série de eventos torna a imortalidade, um sonho para muitos, num dos maiores pesadelos de Carrie. Obrigada a deixar para trás o seu emprego e a sua vida, a recém-vampira descobre-se entre o seu Criador, a quem se encontra eternamente ligada por um forte laço de sangue, e Nathan, que deseja exterminá-la apesar da atracção existente entre os dois.    

"A Iniciação" é um livro surpreendente. Não existe razão alguma para não se gostar deste mundo recheado de vampiros e com uma história tão envolvente. Um dos pontos fortes da obra é a protagonista, Carrie apanhada num mundo do qual nunca desejou fazer parte, assim como a escrita ser na primeira pessoa - a escritora conseguiu descrever os sentimentos de Carrie de modo ao leitor também os experienciar. As personagens secundárias também contribuem bastante para tornar esta história apaixonante, devido às diferentes características de cada uma e ao modo como reagem às situações impostas. As várias e diversas referêcias culturais do mundo real enriquecem a obra, apelando ao interesse um pouco mais.  

Apesar de muitos clichés vampíricos e de algumas parecenças com histórias publicadas - a própria escritora referiu ser fã de L. J. Smith e Anne Rice - este livro não deixa de ser bastante apelativo. O ambiente envolvente negro - um pouco recheado de descrições sangrentas e temas mais maduros - é o factor diferenciador da obra, que a distingue.   

Este livro  é merecedor de um lugar na nossa estante.

Wednesday, 9 February 2011

"Wicked Lovely - Tatuagem", Melissa Marr

Título Original: Ink Exchange (2008)
Autor: Melissa Marr
Editora: Saída de Emergência
Nº Páginas: 243
ISBN: 978-989-637-303-0
Género: Literatura Fantástica, Fantasia Urbana

Sinopse: "Leslie, de dezassete anos, não sabe nada sobre fadas nem sobre as suas lutas obscuras pelo poder. Quando se sente atraída por uma tatuagem estranhamente bela, só sabe que tem de a ter, convencendo-se de ter encontrado um símbolo tangível das mudanças de que precisa desesperadamente na sua vida. A tatuagem traz mesmo mudanças - não do tipo que Leslie sonhou, mas mudanças sinistras e irresistíveis, que ligam Leslie a Irial, um rei das fadas tenebroso e temível que luta pela alma da sua corte. Aos poucos, Leslie é arrastada cada vez mais para dentro do mundo feérico, incapaz de resistir ao seu fascínio e de compreender os seus perigos... Melissa Marr dá seguimento aos seus contos de Fadas numa história sombria e arrebatadora de tentação e consequências, e de heroísmo quando menos se espera."

Opinião: Leslie, uma rapariga normal de dezassete anos, decide, finalmente, fazer uma tatuagem. Com o desenho marcado no corpo, Leslie vê a oportunidade de encontrar uma nova liberdade, de encontrar um início novo depois de sofrer horrores às mãos dos "amigos" do irmão. Na loja de Rabbit (ou "Coelhinho", como Irial o trata), depois de uma longa procura, a jovem sente-se atraída por uma tatuagem - uma bela e elaborada tatuagem com um olhar demasiado fascinante.

O que Leslie não sabia é que a tatuagem  lhe traria mesmo mudanças para a sua vida - mas não as mudanças desejadas pela jovem. A tinta pintada no seu corpo cria uma ligação com o rei da Corte das Tevras, Irial, que precisa de poder num mundo, em que a Corte do Inverno e a Corte do Verão, após a ascensão dos novos reis, criaram uma forte aliança.  Leslie vê-se arrastada para o Mundo das desonestas e maldosas fadas, sem compreender o quão perigoso este é.

Nesta nova aventura, as personagens principais como Aislinn, Seth e Keenan, passam para segundo plano - mas tendo um papel algo importante nos eventos -, dando lugar a personagens como Leslie, Niall e Irial.

A primeira vez que tivemos contacto com Leslie, a protagonista deste livro, foi em "Wicked Lovely - Amores Rebeldes". Leslie era uma das amigas de Aislinn. Apesar de não ter gostado das amigas da Rainha do Verão, foi fácil simpatizar com Leslie - uma rapariga em sofrimento, a viver num ambiente familiar horrível após a partida da mãe. Não é uma protagonista forte, mas a fragilidade de Leslie torna-a mais real.    

Também conhecemos Niall no primeiro livro, como o fiel conselheiro de Kennan. Desta vez, a pedido de Aislinn, Niall protege Leslie sem a mortal saber, tendo a certeza que nenhuma fada lhe faz mal. A tarefa de Niall, não é facilitada, devido aos sentimentos que nutre por Leslie e ao aparecimento de Irial - que também não se sente indiferente a Leslie, e não é apenas por causa do laço criado entre eles através da tatuagem. O Rei das Trevas quase destronava Seth para se tornar a minha personagem preferida. Gostei imenso como a escritora escreveu Irial e lhe ofereceu diferentes facetas.  

Este livro é mais negro do que o primeiro da escritora. O ambiente envolvente não é tão leve como em "Amores Rebeldes", com temas mais adultos e obscuros. Sempre que julgamos que nada pior pode acontecer no enredo, o inesperado acontece!  

Gostei bastante da obra - apesar de ter gostado um pouquinho mais da primeira -, mas por vezes achei que a longa descrição das emoções roubavam páginas e páginas ao livro, quando estas páginas podiam ter sido usadas para contar, com uma maior profundidade, as histórias das personagens - queria saber um pouco mais sobre a estranha amizade entre Niall e Irial, acho que havia muito para ser explorado sobre o passado destas duas personagens.  

Para concluir, desejo imenso poder ler o próximo livro da saga, focado, mais uma vez, em Aislinn e Seth, de título "Frágil Eternidade".  

Thursday, 3 February 2011

"Vínculo de Sangue", Patricia Briggs

Título Original: Blood Bound (2007)
Autor: Patricia Briggs
Editora: Saída de Emergência
Nº Páginas: 304
ISBN: 978-989-637-300-9
Género: Fantasia Urbana

Sinopse: "Mercy tem amigos em lugares estranhos e sombrios. E agora deve um favor a um desses amigos: o vampiro Stefan precisa das capacidades de metamorfose de Mercy para entregar uma  mensagem a um vampiro recém-chegado à cidade. O que Mercy não sabe é que este novo vampiro tem um segredo: na verdade é um feiticeiro possuído por um demónio prestes a lançar o caos na cidade. Depois de várias tentativas da comunidade paranormal para destruir a criatura, Mercy vê-se envolvida na refrega: embora os seus amigos vampiros e lobisomens sejam mais fortes do que ela, são as suas habilidades especiais que poderão salvar a todos. E quando descobre a verdade sobre essas habilidades, Mercy vai aprender muito sobre o seu passado e os lobisomens que a criaram..."

Opinião: Da última vez que encontramos Mercedes "Mercy" Thompson, esta tinha ajudado a salvar a filha do Alfa - Adam, do bando local,. Durante essa "pequena" aventura, Mercy ficou a dever um favor a Stephan (um vampiro), que finalmente o vai cobrar.

Num telefonema a meio da noite, Stephan pede a Mercy para testemunhar, na sua forma de coiote, o  encontro com um vampiro recém-chegado à cidade. Uma visita que tinha tudo para ser normal acaba por se transformar num banho de sangue, pois o vampiro recém-chegado não é apenas um sugador de sangue. Este vampiro é um feiticeiro cujo corpo foi possuído por um demónio. Apesar de tanto os vampiros, como os lobisomens avisarem Mercy para não se intrometer, a caminhante não é capaz de ficar quieta - não quando as pessoas que lhe são próximas se encontram em perigo -  e embarca numa nova e deliciosa aventura.

"Vínculo de Sangue" é uma excelente continuação de "O Apelo da Lua". Conseguiu superar todas as minhas expectativas - estas haviam sido colocadas numa fasquia muito elevada. Briggs não desiludiu e oferece-nos um livro ainda mais recheado de mistério, de suspense e, claro, acção.  

Gosto do modo como a escritora retrata as personagens - mais exactamente os seres do mundo fantástico. Estes seres são apresentados com defeitos (vampiros assustadores e imprevisíveis; lobisomens vinculados às regras da hierarquia e com preconceitos antiquados - se Mercy fosse uma mulher-lobo e não uma caminhante, já havia sido iniciada uma revolta  até as fêmeas terem os mesmos direitos que os machos - seres feéricos em quem não se deve confiar) e mesmo assim apaixonamo-nos por eles. 

Neste livro, Mercy continua a ser uma mulher que apesar da sua coragem e ousadia mostra o seu lado mais frágil e reconhece as suas limitações. Mesmo com as suas capacidades metamórficas, Mercy parece bastante real. É fácil estabelecer uma ligação com uma personagem como esta mecânica.       

Tal como no primeiro livro, o romance voltou a ser deixado em segundo plano -  e mais uma vez digo que o livro não peca por isso. Mercy continua a questionar-se sobre os seus sentimentos em relação a Adam e a Samuel - que "lutam" para ganhar o seu afecto. E para se mistuar à confusão deste triângulo, surge um terceiro elemento - o qual não vou revelar. Enquanto Mercy se questiona sobre os seus sentimentos, eu questiono-me sobre quem irá ganhar o seu coração.   

O terceiro livro da saga tem por título "Beijo de Ferro". Após lobisomens e vampiros, este título sugestivo só nos pode levar a conhecer com maior detalhe os seres feéricos. Faço figas para que o terceiro livro seja publicado na Primavera, pois Mercy tornou-se, sem dúvida alguma, uma das minhas protagonistas preferidas de sempre.

Monday, 31 January 2011

As Primeiras Aquisições do Ano

Aqui estão os livros que se juntaram à minha estante neste primeiro mês do ano.


- "O Pacto" de Gemma Malley [Opinião] ;
- "Shiver - Um Amor Impossível" de Maggie Stiefvater [Opinião] ;


- "Vínculo de Sangue" de Patricia Briggs.

Como prometido no início deste ano, não passei a barreira de três livros por mês. Fiquei mesmo no limite. Espero no próximo mês cumprir mais uma vez a minha promessa.  


"A Abadia de Northanger" de Jane Austen foi encomendado em Dezembro mas apenas chegou a casa este mês.

"Shiver - Um Amor Impossível", Maggie Stiefvater

Título Original: Shiver (2009)
Autor: Maggie Stiefvater
Editora: Editorial Presença
Colecção: Noites Claras
Nº Páginas: 440
ISBN: 978-972-23-4451-7
Género: Romance Fantástico

Sinopse: "Sam e Grace são dois adolescentes que vivem um amor sublime e aparentemente impossível. Todos os anos, quando chega a Primavera, Sam, abandona a sua vida de lobisomem e recupera a forma humana, aproximando-se de Grace, mas sempre que regressa o Inverno, vê-se obrigado a voltar à floresta e a viver com a sua alcateia. Conseguirá o seu amor vencer os muitos obstáculos que ameaçam separá-los para sempre? Uma história cheia de aventuras e descobertas, mágica, original, que desafia a mente e enternece o coração."

Opinião: Grace é uma jovem de dezassete anos que está apaixonada por um lobo de olhos dourados. Anos antes esse mesmo lobo - Sam - salvou-a da sua alcateia esfomeada, quando esta tinha apenas onze anos. Desde dessa altura que Grace observa os lobos que vivem no bosque atrás da sua casa, durante o Inverno.

O que Grace não sabe é que esses lobos não são meros animais: durante o Verão são humanos e durante o Inverno transformam-se em lobos. Ao contrário de outos livros que já li, estes humanos quando se transformam em lobos perdem as suas emoções e os seus pensamentos humanos. Como lobo, Sam não consegue lembrar-se da sua vida como humano - apesar de não saber como, Sam consegue manter lembranças de Grace.      

Após o ataque a um rapaz chamado Jack, os lobos de Mercy Falls vêem-se perseguidos. É durante uma caçada que Grace e Sam - na sua forma humana - finalmente se encontram. Basta um olhar apenas para Grace saber que Sam é o seu lobo - e a sua história de um amor impossível inicia-se. 

Li muitas críticas negativas sobre este livro. Não compreendo bem o porquê pois achei este livro bastante interessante e com algo novo para revelar - até nos oferece duas pequenas histórias secúndarias. Confesso que algumas das personagens podiam ter sido um pouco mais desenvolvidas, mas o livro não pecou por causa disso. A relação entre Sam e Grace foi lindamente desenvolvida.   

Neste livro a mitologia dos lobisomens não é muito explorada. Sabemos que a transformação é originada devido às baixas temperaturas do Outono/Inverno e que cada lobo tem um determinado número de anos humanos, até se tornar em animal para todo o sempre.

Uma característica engraçada de Sam - pelo menos eu achei engraçado o que muitos acharam lamecha - foi a sua capacidade de "compor" letras de músicas, na sua cabeça, relacionadas com  situações em que se encontrava. Este mesmo Sam é uma personagem um pouco criticada por não agir muitas das vezes como um rapaz de dezoito anos. Mas vejamos: o Sam não é um rapaz comum! Desde os seus sete anos que Sam se transforma em lobo com a chegada do frio.

Muitos comparam este livro à saga Crepúsculo. Como nunca li a saga - nem faço tenções de ler após a atmosfera de loucura gerada em volta dos livros - não devo opinar muito sobre o assunto. Mas li algumas opiniões e  ouvi o resumo do último livro e acho uma comparação injustificada.

Apesar de ter adorado este amor impossível entre Grace e Sam, não sei se seguirei a saga. Porquê? Bem, na minha opinião o final do livro é perfeito - não ficaram pontas soltas. Algumas continuações tendem a complicar e a desapontar. E eu não quero ficar desapontada com a continuação.